PROGRAMAS HABITACIONAIS

PROGRAMAS HABITACIONAIS

 

Você sabia que o principal público beneficiado pelo programa habitacional Casa Fácil Paraná, do Governo do Estado, são mulheres? Desde 2019, cerca de 4.700 contratos têm mulheres como titulares, o que representa 77% das unidades habitacionais entregues no período.

Os números podem ser explicados, em parte, pelo perfil de pessoas que buscam uma casa própria, mas também pelo fato do Estado ter reforçado as ações voltadas ao público feminino. A lei estadual 20.394/2020 e o decreto estadual 7.666/2021, que estabeleceu as diretrizes de atendimento do programa, preveem prioridade no atendimento a famílias chefiadas por mulheres e cota para aquelas protegidas pela Lei Maria da Penha.

A medida vale para todas as modalidades disponíveis, o que garante a preferência em projetos de imóveis financiados pela Cohapar com condições facilitadas, casas doadas para pessoas em vulnerabilidade social e também em condomínios exclusivos para idosos.

 

Como participar?

Para participar da seleção e comercialização de casas dos projetos estaduais, as interessadas devem realizar uma inscrição no site www.cohapar.pr.gov.br/cadastro. Nele, é necessário preencher informações sobre renda, composição familiar e outros dados, como eventual enquadramento na Lei Maria da Penha.

 

Sonhos realizados

A vendedora de verduras Vera Lucia Santos, de 35 anos, vivia há cinco em uma casa alugada junto com o filho, João Vitor, até receber as chaves de sua nova casa em Centenário do Sul, em 2021. Graças aos subsídios do Governo do Estado no projeto, Vera, que nunca havia cogitado comprar uma moradia própria, pode comemorar a conquista sem custos.

“Pra mim foi um sonho. A assistente social chegou em casa um dia cedo, fazia frio e estava chuviscando. Ela me deu um vaso e disse que era um presente para a casa nova. Chorei muito, fiquei muito emocionada, e estou muito feliz por mim e por todas essas pessoas que vão morar ao meu redor”, relata.

Outra beneficiada foi a técnica de enfermagem Ivonete dos Santos, de 45 anos. Depois de se divorciar, ela precisou passar 11 anos morando de favor na casa de amigos e familiares até ter a oportunidade de comprar uma casa financiada pela Cohapar.

“Vai mudar tudo na minha vida. Agora eu vou conseguir viver, porque até agora eu vivia a vida dos outros”, comenta. “É emoção demais, eu nem consegui dormir à noite. Hoje é só alegria, só sorriso, e se eu chorar vai ser de alegria”.